domingo, 21 de novembro de 2010

RESUMO CIÊNCIAS PROVA BIMESTRAL 7º ANO


RESUMO CIÊNCIAS PROVA (4º BIMESTRE)
7º ANO
FOLHAS
            A folha é um órgão laminar e clorofilado da planta (com clorofila), é a principal sede de elaboração de alimentos orgânicos (seiva elaborada) sob a ação da luz (processo da fotossíntese) e de eliminação de água na forma de vapor (transpiração) ou de liquido (gutação).
            A folha é o órgão sede de realização da fotossíntese. Ela realiza a partir de substâncias inorgânicas (sais minerais), água e gás carbônico.
            As raízes absorvem do solo esta água que chega ás folhas através dos vasos que aí formam um sistema de nervuras na folha.
            O gás carbônico é absorvido do ar atmosférico através de aberturas chamadas de estômatos.
            Uma folha completa apresenta três partes: limbo, pecíolo e bainha.
O pecíolo é o eixo que suporta o limbo e fixa a folha no caule. A bainha é a dilatação existente da na base do pecíolo, serve para inserir a folha no caule. O limbo é a laminar clorofilada que constitui a principal porção da folha.
            Na folha pode-se não encontrar qualquer uma de suas partes. Nesse caso, as folhas são chamadas de incompletas, elas podem ser pecioladas (só apresentam pecíolo e limbo. Ex: folha de primavera), invaginantes (só existem a bainha e o limbo. Ex: folha de milho), sésseis (só possuem o limbo, diretamente preso ao caule. Ex: folha de tabaco).
Folhas simples e compostas
            As folhas simples são quando o limbo não é dividido, e folhas compostas, quando cujo limbo é dividido em folíolos.
            As folhas compostas (por folíolos) podem ser classificadas em: imparipenadas (quando terminam por um folíolo na ponta) e as paripenadas (quando terminam por dois folíolos na ponta).

  
            Bainha                        Pecíolo                             Limbo
           
As folhas modificadas podem sofrer diversos tipos de transformações, entre as quais se destacam: escamas, brácteas, espinhos, cotilédones e as folhas insetívoras.
            -Escamas: são pequenas folhas destinadas a envolver e proteger as gemas do caule.

            -Brácteas: folhas existentes nas vizinhanças das flores, podendo apresentar coloração viva e variada, com a finalidade de atrair insetos.

            -Espinhos: encontrados nas cactáceas, constituem folhas modificadas, a fotossíntese é feita pelo caule clorofilado e suculento, por acumular água.

            -Cotilédones: folhas espessas que possuem substâncias de reserva e aparecem na semente. Servem para nutrir o embrião durante o seu desenvolvimento inicial. Nas angiospermas as plantas podem ser monocotiledôneas ou dicotiledôneas, segundo a quantidade de cotilédones (um ou dois) existentes nas sementes.
           
                Folhas insetívoras
           
            São folhas adaptadas á captura e digestão de insetos. Na planta apresenta limbo com expansões que lembram espinhos. Quando um inseto pousa na folha, esta fecha-se rapidamente e as expansões se intercruzam formando uma espécie de gaiola onde possui dentro dela enzimas que digere o animal.
           
            Importância das Folhas
           
-Folhas com nervuras longas e resistentes são utilizadas na obtenção de fibras têxteis.
-A folha de carnaúba fornece a cera que impermeabiliza os produtos nos quais é utilizada como graxa para sapato e cera para assoalho.
-Algumas folhas longas são usadas na cobertura de habitações.
-Folhas de gramíneas (capim, milho, cana) e de leguminosas (alfafa, principalmente) servem de alimento para os animais. Essas folhas podem ser guardadas como forragem.
-Algumas folhas fornecem substâncias usadas para fins medicinais;
-Folhas usadas na alimentação (verduras); temperos (como salsinha, cebolinha), fabricação de bebidas (chá e chimarrão), o fumo apartir do tabaco.

Fotossíntese

Fotossíntese é o processo pelo qual as plantas clorofiladas produzem o seu próprio alimento- glicose- apartir de água e gás carbônico. Durante o processo há consumo de energia e esta é retirada da luz solar graças á presença da clorofila.
Com a produção de glicose ocorre a eliminação de oxigênio, gás utilizadao na respiração tanto animal quanto vegetal.
A energia luminosa artificial pode fazer com o vegetal realize fotossíntese mas não com a mesma eficiência.
A importância da fotossíntese é de transformar a seiva bruta (mineral- sais minerais absorvidos do solo), em seiva elaborada (orgânica- glicose), isto é a água e o gás carbônico forma a glicose e liberam o oxigênio.
O oxigênio liberado intervém no teor de gases da atmosfera e é indispensável á respiração dos animais e vegetais.

Respiração

Respiração é o processo utilizado pelos seres vivos para produzir energia através de uma reação de combustão de alimentos, como a glicose.
A respiração ocorre de duas maneiras diferentes:
-aeróbia: aquela que ocorre na presença do oxigênio.
-anaeróbia: aquela que ocorre na ausência do oxigênio

            Se compararmos a respiração com a fotossíntese percebe-se que são dois processos inversos:
-Na fotossíntese, a energia é consumida, e na respiração, é liberada.
-Na fotossíntese, é produzido alimento (glicose), e na respiração, ele é consumido, para obtenção de energia.

            Transpiração

            Na transpiração ocorre a eliminação de vapor-d´água pela planta.Esse fenômeno é visto nas folhas , a intensidade da transpiração pelo vegetal depende do estado de saturação da atmosfera, ou seja, se o ar estiver com muito vapor-d´água, cessa todas a transpiração do vegetal.Esse fenômeno ocorre quando o vegetal está com excesso de água.

            Resumo: Folhas

Funções: fotossíntese, transpiração e gutação oi sudação.
Estrutura: completa (limbo, pecíolo, e bainha) e incompleta (peciolada, invaginante, séssil).
Modificações: escamas, brácteas, espinhos, cotilédones, carnívoras.


FRUTO

            Após a fecundação as partes da flor desaparecem, ficando apenas o ovário que se desenvolve e produz o fruto, composto de duas partes: pericarpo ou fruto propriamente dito, e a semente.
            O pericarpo é formado por três camadas: epicarpo, mesocarpo e endocarpo.
O epicarpo reveste externamente o fruto.
O mesocarpo é geralmente suculento;
O endocarpo é a parte mais interna que envolve a semente.
            Os frutos podem ser: secos e carnosos.
                 
            FRUTOS CARNOSOS: são os frutos que apresentam o pericarpo espesso e transformado em uma massa carnosa cujas células são cheias de suco e matérias nutritivas: Existem duas categorias: Bagas e Drupas.

            BAGAS: é o fruto carnoso com número variável de sementes. Exemplos: uva, laranja, goiaba, jabuticaba, abóbora, melancia e tomate.
            Na laranja é bem fácil a observação das três partes do fruto. A casca representa o epicarpo; o mesocarpo é a camada branca, sendo o endocarpo constituído por numerosos cheios de suco, que formam a parte comestível da laranja.
           
            DRUPAS: frutos que apresentam apenas uma semente no interior de um caroço, estrutura resistente formada pelo endocarpo. Exemplos: pêssego, azeitona e cereja.
            No pêssego, por exemplo, a película que reveste o fruto representa o epicarpo; a parte carnosa a polpa, o mesocarpo; e o caroço, o endocarpo.
           
            FRUTOS SECOS: são os frutos que, quando maduros, possuem um pericarpo ressequido e desprovido de suco. Podem ser deiscentes e indeiscentes.

            Deiscentes: quando amadurecem, se abrem para libertar as sementes. E outras ocasiões são chamadas de legume. Caracteriza a extensa família das leguminosas, com fendas longitudinais ou transversais. Exemplos: feijão, ervilha, soja e lentilha.

Indeiscentes: são frutos que NÃO se abrem para libertar as sementes. Ás vezes apresentam apenas uma semente presa ao pericarpo através de um ponto. Exemplo: girassol.
Outros têm uma única semente presa ao pericarpo em toda sua extensão. Exemplo: milho e trigo.

            PSEUDOFRUTOS: são originados de diferentes partes de uma ou várias flores. Podem ser: simples, compostos e múltiplos.

            SIMPLES: são os frutos cuja parte comestível e carnosa não é originada do ovário, mas de outra parte da flor. É o caso típico do caju, cuja parte carnosa deriva do pedúnculo floral, sendo apenas a castanha originada do ovário.
            A maçã e a pêra também são exemplos de pseudofrutos nos quais a porção carnosa é originada do receptáculo floral.

            COMPOSTOS: são os pseudofrutos que surgiram de uma flor que apresenta o gineceu constituído por diversos ovários. Nele há tanto os frutos quanto os carpelos. Como exemplo o morango, constituído por numerosos e pequenos frutos dispostos sobre um desenvolvido receptáculo floral.

            MÚLTIPLOS: originados de diversas partes de várias flores, que nascem próximas, constituindo um conjunto chamado de inflorescência*. As flores que originam um fruto múltiplo ficam tão próximos umas das outras que chegam a formar uma só massa, como no abacaxi.
            O figo e a amora constituem exemplos de frutos múltiplos ou infrutescências*.

*Inflorescências: pseudofruto formado a partir de muitas flores.
*Infrutescências: pseudofruto originado de frutos agregados.



Nos pseudofrutos a porção comestível não corresponde ao ovário desenvolvido. No caju, ocorre hipertrofia do pedúnculo floral.
Na maça, na pêra e no morango, é o receptáculo floral que se desenvolve.
            
Assim, ao comer a polpa de um abacate ou de uma manga você está se alimentando do fruto verdadeiro.
No entanto, ao saborear um caju ou uma maça, você está mastigando o pseudofruto. No caso da banana e da laranja de umbigo (baiana), o fruto é partenocárpico, corresponde ao ovário desenvolvido sem fecundação, logo, sem sementes.
A diferença de fruta e fruto: O que se conhece popularmente por “frutas” não tem significado botânico. Fruta é aquilo que tem sabor agradável, às vezes azedo às vezes doce. É o caso da laranja, pêssego, caju, banana, pêra, maça, morango, amora. Note que nem toda fruta é fruto verdadeiro. Já o tomate, a berinjela, o jiló e a abobrinha, entre outros, são frutos verdadeiros, mas não são frutas...


SEMENTE

            As sementes resultam do óvulo fecundado modificado e desenvolvido. É constituída por duas partes: tegumento e amêndoa. Toda a semente possui um envoltório, mais ou menos rígido, um embrião inativo da futura planta e um tecido de reserva alimentar chamado endosperma ou albúmen.
            Os cotilédones são folhas modificadas, providas de substâncias nutritivas
            A dispersão dos frutos e sementes pode ocorrer pelo vento, por pássaros e outros animais, pela água, pelo próprio fruto, ou até mesmo pelo homem.
           
A importância das sementes pode ser tanto para os animais quanto para o homem, temos: alimentação, óleos, e fibras têxteis.
            Na alimentação: cereais (arroz, trigo, feijão, lentilha, aveia etc.)
            Óleos: algodão, amendoim, oliva, girassol, soja e milho fornecem óleos comestíveis. E o óleo de mamona é usado como lubrificante e o óleo de linhaça para vernizes.
            Fibras têxteis: algumas sementes produzem fibras como o algodão (usadas na confecção de tecidos).

As sementes só germinam quando encontram condições favoráveis podem ser internas e externas, principalmente de umidade, ocorre a hidratação da semente e pode ser iniciada a germinação.
            A disseminação das sementes, isto é serem levadas para lugares onde possam germinar, proporciona assim o surgimento de novas plantas.(a propagação da espécie).

Obs: a Tia colocou imagens mas não carrega qd abre, portanto estudem olhando as imagens da apostila ou de outro livro, internet ok..abraços

 Boa prova!!!!!

             Boas Férias , Feliz Natal!!!!
Bjs Tia Susana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário